quinta-feira, 22 de novembro de 2007

Da idiotice marketeira ao pós-fascismo que perde a vergonha

Numa profissão que exige muita criatividade é certo que haverá ideias menos felizes a serem concretizadas (em marketing isso significa quase sempre, mas não quero ir por aí).

De há uns dias a esta parte vi uns cartazes, no metro, da cerveja Tagus que nos questionam se somos heteros e que apelam ao Orgulho Hetero, havendo até um espaço em que todos os heteros do país, fartos de serem discriminados e ghettizados em bares manhosos do Príncipe Real, podem encontrar pares (fui ao sítio, e na verdade fiquei mais com a impressão que aquilo vai servir é para encher os mails de campanhas publicitárias, mas isso também não interessa nada).


O que me chateia nesta campanha é a ligeireza com que o tema (o orgulho gay, expressão que não me agrada mas que compreendo na medida em que é um combate à homofobia e não uma minimização dos "não-gay") é tratado. Verdade seja dita, de uma cerveja que patrocina os festivais "académicos" (não, não vou voltar à vaca fria das praxes) não espero grande coisa. Mas isto é bastante diferente. Sobretudo, é um tema que a direita (PP e PNR sobretudo - não, não estou a dizer que os dois são a mesma coisa, estou a dizer que têm abordagens muito semelhantes em muitos pontos, o que não quer dizer que o PP seja - porque não é - de extrema-direita) costuma utilizar, um estilo de tratar as coisas - esta ideia de que a família tradicional está a ser destruída, que se está a discriminar negativamente os heterossexuais apenas porque as minorias sexuais começam a ser respeitadas, que os ricos são perseguidos apenas por serem obrigados a pagar impostos, que o casamento está a ser posto em causa, que a Igreja é uma pobre coitada impotente perante o avanço inexorável e maquinado por estranhas, invisíveis (talvez, digo eu, porque inexistentes, ao contrário da Opus Dei) forças que visam instituir coisas abomináveis como o laicismo e o secularismo.
Por conseguinte, esta é das campanhas publicitárias nacionais mais politizadas de que me recordo. Não se admirem pois os marketeiros de o consumo também ele se politizar. Claro - o nicho de marcado PNR é todo deles. Mas, entre cidadãos que não simpatizam com a campanha, e aqueles que não a percebem (estou a pensar naqueles - que ainda existirão - para quem a expressão hetero ainda é vagamente nebulosa) parece-me que há partida a urina de burro com nome de rio parte em desvantagem.


NOTA - dado que duas pessoas (pelo menos) terão pensado que estes cartazes são os que estão nos mupis, aqui vai o esclarecimento: estes cartazes são um ataque à campanha da Tagus e estãoa circular em vários blogs que já pude ler. Creio que o que reúne maior quantidade é este. Reitero que o sítio da campanha da Tagus é este e só este: http://www.orgulhohetero.com/.
Peço desculpa pelos possíveis erros e espero que tenha ficado claro.



Entretanto, surgem já ideias para futuras campanhas da Tagus, como por exemplo o Orgulho Jovem ou o Orgulho Macho. Creio que são ideias tão indigentes do ponto de vista intelectual quanto a original. Creio que estão ao nível dos marketeiros da Tagus que, certamente, aproveitá-las-ão.

11 comentários:

Paulo disse...

Parabéns pela reacção heterofóbicaa. O meu irmão é gay e não compactua com a vossa militância fundamentalista. E se a campanha fosse "orgulho metro", talvez ninguém se sentisse ameaçado com os seus complexos de afirmação. Depente uma porcaria de um anúncio tornou-se numa caça às bruxas, tipica de regimes totalitaristas contra os quais todos nós (amantes da liberdade de expressão e da diferença) lutámos!

Quanto à argumentação básica do "e se fosse orgulho branco?", estamos a fazer paralelismos completamente falaciosos mas que dão jeito à argumentação. Que eu saiba nunca a comunidade heterosexual tentou exterminar a comunidade homosexual, ao contrário dos nazis.

Igor disse...

Bom, isto deve ser uma colecção de mostrengos que em meia hora veio ao meu blog.

Primeiro diz
"Que eu saiba nunca a comunidade heterosexual tentou exterminar a comunidade homosexual"
E depois diz
"ao contrário dos nazis".

E os nazis eram mandaram os homossexuais para os campos de concentração em nome do quê?

GMaciel disse...

Depois de tudo lido, fiquei sem bem saber como expressar a repulsa que senti. Acho que o teu título diz tudo.
:(

Quanto "à colecção de mostrengos", sabes bem como a cobardia actua em matilha.
:(
jocas grandes

Pedro Fontela disse...

hmmm porque é que cada vez que sai uma bacorada homofobica o autor sente a necessidade de inventar um conhecimento em primeira mão de alguém que é... que valente treta.

portugalgay disse...

ver também:

www.orgulhohetero.org

e

www.orgulhohetero.net

dissidente-x disse...

O post é condescendente para com a "campanha de marketing".

Quanto à associação em questão tem sérios problemas de cabeça.

Quanto à empresa, num país normal tinha levado já com uma multa financeira tremenda por veicular racismo, e discriminação de escolha e orientação sexual.

Para mim que não sou "gay", o que me incomoda é uma empresa privada fazer marketing claramente anti democrático e ninguém se incomodar com isso.

Quanto ao primeiro comentador é completamente estúpido.
Nem sequer percebe - considerações sobre gays ou não gays aparte - porque é que uma empresa de cervejas( ou outra qualquer) não deve patrocinar um arroto destes com estes cartazes.

Se eu fosse dono da Cereuro, a empresa que é dona da marca Tagus despedia sem justa causa logo na hora quem teve esta ideia.

Do ponto de vista económico/comercial isto é o maior tiro no pé comercial que se pode fazer.

Ou então querem destruir a marca por razões contabilísticas.
Só pode, dada a estupidez demonstrada.

E volto a dizer: o post é muito condescendente com isto do ponto de vista de uma campanha publicitária apelar directamente a racismo, discriminação,nazismo, etc.

Igor disse...

Dissidente-X, percebi que não estava a ser compreendida a origem destes cartazes em particular, pelo que coloquei uma nota explicativa.

dissidente-x disse...

Portanto se eu percebi bem: a Cereuro/tagus mandou fazer uma campanha publicitária apelando ao orgulho hetero e a estas associação de cromos idiotas que tem página na Internet.

E depois o PNR aproveitou e criou uns cartazes a distorcer acampanha da Tagus. É isso?

Se isso estão uns bem para os outros realmente...

Se é isso parte do meu post obviamente não se aplica.

Igor disse...

Não, a Tagus fez uma campanha intitulada "Orgulho Hetero", inclusivamente com um sítio online para as pessoas se registarem e fazerem uma comunidade heterossexual.

Estes cartazes são realizados por organizações como o PortugalGay ou as Panteros Rosas e por bloguistas.

A manifestação do PNR, etc., são coisas que se passaram de verdade e cuja associação à campanha visa demonstrar a idiotice da mesma.

dissidente-x disse...

Quer dizer: ainda é pior do que eu pensava...

Anónimo disse...

http://anti-especista.blogspot.com/